Simplifica??o dos regimes de origem pode incrementar com?rcio internacional

Veículo: Ag?ncia CNI
Seção:
Página:

   

 
 Brasília – A harmonização e a simplificação dos regimes de origem ajudarão a aumentar o comércio internacional, darão maior transparência e estabilidade aos negócios. O alerta foi feito hoje pelo gerente-executivo da Unidade de Comércio Exterior da CNI, José Frederico Álvares, na abertura do seminário Recentes Regimes de Origem. O evento, que começou hoje e se encerra na sexta-feira na sede da CNI, em Brasília, é promovido pelo Departamento de Negociações Internacionais, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Regime de origem é o conjunto de regras que determina a origem do produto importado. Por exemplo, no regime de origem do Mercosul, é necessário que o produto tenha 60% das peças e componentes fabricados nos países integrantes do bloco econômico para se beneficiar das isenções tarifárias previstas no acordo comercial. Os regimes de origem são definidos nas negociações de acordos comerciais entre países ou blocos econômicos. O representante do BID, Jorge Lestani, destacou que o Brasil e os demais países da América Latina têm avançado no processo de abertura comercial e conquistado importantes fatias do mercado internacional. Para ele, é importante que a região consolide os acordos de integração regional e mantenha o processo de abertura comercial. Segundo o economista Rafael Cornejo, do setor de Integração e Comércio do BID, apesar dos avanços na área comercial, há uma série de incógnitas nos acordos comerciais entre os países América Latina. No Mercosul, por exemplo, enquanto Brasil e Argentina protagonizam contenciosos comerciais, os sócios menores estão insatisfeitos com os rumos do bloco econômico. Além disso, lembrou Cornejo, o Mercosul enfrenta problemas de inserção internacional , pois não consegue fechar acordos com outros blocos econômicos, como a União Européia.O seminário prosseguirá amanhã com debates sobre os desafios dos regimes de origem para a América Latina, as negociações do setor automotivo e perspectivas do setor têxtil. Na sexta-feira, o evento tratará das variáveis do regime de origem e das negociações na América do Sul.