Setor t?xtil aposta em capacita?

Veículo: Di?rio do Nordeste
Seção: Online
Página:

 


 
Terceiro maior pólo têxtil do Brasil, o Ceará quer avançar na área de capacitação tecnológica da mão-de-obra. Segundo a presidente do Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Estado (Sinditêxtil), Verônica Perdigão, a cadeia têxtil — desde a tecelagem até a área de confecção — emprega cerca de 100 mil pessoas no Ceará, incluindo as vagas formais e informais. Ontem pela manhã, entidades representativas do setor têxtil cearense lançaram projeto de capacitação da cadeia produtiva.
A iniciativa visa captar recursos do Ministério do Trabalho para a criação de uma espécie de ´Indústria Modelo´ para treinamento e especialização de mão-de-obra.´Trata-se de um Centro Tecnológico Têxtil, que já conta com doações de equipamentos de expositores da Maquintex - Feira de Máquinas, Equipamentos, Serviços e Química para a Indústria Têxtil ´, informou Verônica Perdigão.

Empregador

Dados Associação Brasileira de Técnicos Têxteis (ABTT) revelam que o setor é hoje o segundo maior empregador do País, perdendo apenas para a construção civil, agregando ainda, a maior concentração de mão-de-obra feminina. ´Nos estados do Nordeste, esta cadeia de produtos abriu largas frentes de trabalho, especialmente, em Pernambuco e Ceará. Esse último inclusive , só nos últimos três anos, investiu R$ 500 milhões em equipamentos e tecnologia, respondendo por 9,40% do PIB estadual´ observou Hélvio Pompeo Madeira, presidente da FCEM (Feiras, Congressos e Empreendimentos), promotora da Maquintex.

Iniciativa

Segundo Pompeo, a iniciativa do pólo têxtil local, de pleitear a criação de uma ´Indústria Modelo´, demonstra a preocupação em qualificar a mão-de-obra cearense. ´Para formar técnicos na área de tecelagem, por exemplo, uma empresa investe no treinamento de um profissional no Rio de Janeiro durante um ano, o que acaba se tornando um custo muito alto para ela, sem falar que tira este trabalhador da fábrica por um período muito longo´, disse. Hoje, o Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil (Cetiqt), sediado no Rio de Janeiro, é referência nacional. A tecnologia da indústria têxtil cearense é de primeiro mundo, destacou Pompeo. Para ele, o aperfeiçoamento da mão-de-obra vai garantir mais técnicos e se tornará um diferencial de competitividade ao segmento. ´A tecelagem é o início da cadeia têxtil, que termina com o ramo de confecção. Quanto mais gente capacitada no início do processo de produção, melhor o resultado.